Diferença em escala, não em substância

03Abr08

O Socioculturalista #1 – 03 de abril de 2007.

Carlos Góes

Benedict Anderson, sociólogo de nacionalidade britânica – a despeito de ter nascido em solo chinês – é expoente nos estudos de nacionalismo. Seu livro Comunidades Imaginadas posa, ao lado de Nations Before Nationalism (1982), de JA Armstrong e Nações e Nacionalismos desde 1788 (1990), de Eric Hobsbawm, como um dos marcos no estudo da matéria.

A base do estudo de Anderson repousa em sua definição para nação: “uma comunidade política imaginada – e que é imaginada ao mesmo tempo como limitada e soberana”. Limitada pois aí reside aí diferença entre o compatriota e o estrangeiro. Soberania que se reflete no “direito de autodeterminação dos povos”.

O que aqui nos interessa é a idéia de que a nação não é algo existente ex nihilo, mas algo construído sociologicamente, por meio da mídia e das relações sociais. Em última instância, uma nação só existiria “nas mentes e nos corações de seus cidadãos”.

Qual é a razão de um presidente ser reconhecido como tal? Legalidade ou legitimidade, qualquer das situações passa, no mínimo, pela aqüiescência dos membros de sua nação. Os reis da França absolutista o eram pois conseguiam, seja por meio da força ou pela “legitimidade divina”, fazer com que seus súditos os vissem como tal.

De tal feita, o micronacionalismo não difere, em substância, da qualquer outra experiência nacional. Sendo em miniatura, sua diferença é em escala. Um Chanceler, Presidente ou Imperador é visto como tal “nas mentes e nos corações de seus cidadãos”. Estes títulos não são simulados, são tão válidos quanto o de Presidente do Brasil ou Rainha da Inglaterra. A diferença está na amplitude de seu reconhecimento.

Enquanto quase todo o globo reconhece Elizabeth II como Rainha da Inglaterra, somente os micronacionalistas reconhecem Cláudio I como Imperador de Reunião. Novamente, diferença de escala, não em substância.

Um exemplo factual que mostram escalas de reconhecimento diferentes pode ser visto quando da Revolução Chinesa. Quando Mao Tsé-Tung marchou sobre Pequim e se tornou de facto o líder da China, Chiang Kai-Shek declarou um “governo no exílio” instaurado em Formosa, mas reivindicando soberania sobre toda a China continental. Enquanto Mao era reconhecido pelos países do bloco soviético, os ocidentais ainda reconheciam Taipé como sede provisória de governo. Até 1971, foi o “governo no exílio” da República da China que ocupou o assento permanente do Conselho de Segurança das Nações Unidas.

Esses conflitos mostram que não existia título “mais válido” que outro. Existe escala de reconhecimento, tudo relativo. E isso corrobora com a identidade entre o micronacionalismo – como experiência nacional em miniatura – com as experiências nacionais extra-micronacionais. Corrobora para mostrar que a diferença é de escala, não de substância.



No Responses Yet to “Diferença em escala, não em substância”

  1. Deixe um Comentário

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: